sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Passeios ao Vento


Há dias em que o caos ensandecido toma conta do meu ser, fazendo-me lembrar coisas das quais seriam melhor esquecer. Aquelas pinturas, melodias e todas as memórias nostálgicas me tomam como o vento, me faz percorrer lugares inimagináveis em busca de qualquer coisa que seja melhor do que aquela que eu já vi. Aquelas crenças foram quebradas e levadas ao vento como tantas outras peças de mim mesma que joguei pela janela diante daquela ventania que eu via lá fora. Só nós podíamos interpretar com nitidez o que a pintura mostrava, só nós éramos capazes de ouvir o que a melodia nos contava. Tapei os olhos para a pintura e os ouvidos para melodia,por um momento acabou-se meus sentidos,e deixei o vento me guiar.